São Paulo - Capital
(11) 3181-9060
Demais Localidades 0800 444 0800

Bruxismo infantil: como tratar e as diferenças em relação ao adulto

Mantenha sua saúde e sorriso em dia de maneira ainda mais simples e prática.

Header

O bruxismo infantil (ato de apertar ou ranger os dentes involuntariamente) é bastante comum em crianças com idade entre 4 e 6 anos. Nessa fase, há muitos dentes nascendo e se acomodando na gengiva, sendo uma das causas do distúrbio, para aliviar o incômodo. 

Segundo estudos, cerca de 2/3 das crianças nessa faixa etária desenvolvem a desordem que pode ser de dois tipos: bruxismo em vigília, quando o movimento é feito com a pessoa acordada, e o sono, que acontece com os pequenos dormindo. 

Como veremos, as causas são diversas. Por isso, ao perceber algum desconforto na criança, é recomendável procurar um especialista, para evitar problemas mais graves. As principais consequências são desgaste dos dentes, dores de cabeça e ouvido, deslocamento e modificação da estrutura óssea da mandíbula e, ainda, aumento da pressão na cabeça.  

Veja, a seguir, as principais causas e tratamentos adequados para o bruxismo infantil.

Principais causas do bruxismo infantil 

O bruxismo infantil pode ter como causas fatores físicos, como o mau posicionamento dos dentes, ou psicológicos, como ansiedade, tensão e traumas. Sendo assim, na maioria das vezes, a criança desenvolve o distúrbio como forma de extravasar alguma desordem interna.

Por isso, ao menor sinal do bruxismo, o mais importante é procurar um especialista para identificar as causas do problema. Lembre-se que as crianças são muito sensíveis a alterações na rotina, como mudança de escola e separação dos pais. 

Problemas respiratórios como rinite, alergias e asma, além de enurese (urinar na cama), sonambulismo e sonilóquio (falar enquanto dorme) também podem estar entre as causas do problema. 

Como tratar o bruxismo infantil 

O diagnóstico do bruxismo pode ser feito por um dentista ou por psiquiatras e fonoaudiólogos, e o tratamento será feito de acordo com sintomas e o relato do paciente. 

Também é importante os pais entenderem que o distúrbio (principalmente, o ranger de dentes) pode estar relacionado a transtornos como hiperatividade, déficit de atenção e autismo. Nesse caso, o tratamento deve ser feito de forma multidisciplinar, envolvendo diversas áreas, incluindo otorrinolaringologistas. 

De forma geral, existem algumas orientações para tratar o bruxismo infantil. Confira a seguir.

Busque auxílio de um dentista

O primeiro passo é procurar um especialista para realizar uma avaliação do problema. O diagnóstico pode envolver raio-X para detectar o grau de desgaste dos dentes; um exame para avaliar a intensidade da mordida e, se preciso, uma polissonografia, feita durante o sono. 

Além disso, a visita regular a um dentista também é uma excelente forma de evitar muitas doenças, garantindo a saúde bucal dos pequenos. 

Utilize placas de mordida

Alguns sintomas decorrentes do bruxismo são dores frequentes de cabeça, no pescoço e no ouvido, que diminuem muito a qualidade de vida do paciente. Portanto, é comum a indicação de placas de mordida (miorrelaxantes) para o tratamento. 

Elas são ótimas para amenizar as dores e, ainda, preservar as estruturas articulares que vão se deteriorando com o atrito agressivo entre dentes.

Reduza o estímulo 

Atualmente, com o uso excessivo de eletrônicos, como tablets e celulares, muitas crianças ficam mentalmente sobrecarregadas. Inclusive à noite, quando o corpo precisa relaxar para ter uma boa noite de sono. 

Dessa forma, uma dica importante é estabelecer uma espécie de “higiene do sono”, algumas horas antes de o pequeno ir dormir. Um banho quente, uma boa história ou até uso de técnicas de aromaterapia são excelentes opções para relaxar a criança e evitar noites agitadas que podem ser um “gatilho” para o bruxismo. 

Diferente do bruxismo em adultos, geralmente ocasionado por períodos de estresse e tensão no trabalho, ou até uso exagerado de substâncias estimulantes (álcool e tabaco), em crianças costuma estar associado a desordens emocionais e neurológicas, nem sempre tão explícitas aos pais ou cuidadores. 

Por isso, ao menor sinal de sintomas do bruxismo infantil ou reclamações dos pequenos sobre dores e dificuldades com o sono, procure um especialista a fim de obter o diagnóstico correto. 

Este artigo foi útil para você? Tem mais dicas para contornar o problema? Deixe o seu comentário no post!