São Paulo - Capital
(11) 3181-9060
Demais Localidades 0800 444 0800

Qual a importância da prevenção em odontologia?

Mantenha sua saúde e sorriso em dia de maneira ainda mais simples e prática.

Header

A boca é responsável por dar início à nutrição de todo o organismo. Contudo, é necessário ficar atento: por ser uma área úmida, escura e quente, é favorável para a proliferação de diversos tipos de bactérias que podem causar várias doenças. Por isso, a prevenção em odontologia é crucial, pois conserva a saúde bucal, prevenindo e diagnosticando patologias orais.

Isso torna a consulta ao dentista essencial, já que as enfermidades que acometem a boca podem causar complicações graves e precisam ser tratadas com seriedade. Realizar uma avaliação cuidadosa em uma clínica dentária especializada é a melhor maneira de evitar o surgimento desses quadros.

Quer compreender a importância da prevenção em odontologia? Então, continue lendo este conteúdo para conhecer os motivos desse procedimento!

Motivos para visitar o odontologista periodicamente

Isso mesmo! A prevenção é o melhor meio para garantir sua saúde bucal. Conheça abaixo quais são os benefícios da visita ao dentista.

Evitar problemas bucais

Esse é um dos principais motivos para frequentar uma clínica dentária regularmente. Afinal de contas, porque ir poucas vezes ao dentista se, indo em consultas periódicas, é possível evitar que doenças graves se manifestem?

A dentição, língua, gengivas, lábios e bochechas são muito sensíveis às ações de vírus, fungos e bactérias, podendo desencadear infecções desconfortáveis e dolorosas. Ir ao o dentista é sinônimo de bem-estar e tranquilidade no futuro.

Prevenir outros problemas de saúde

Se você acha que o odontólogo é capaz de diagnosticar apenas enfermidades do trato oral, está redondamente enganado. Isso porque a saúde bucal reflete no funcionamento de todo o organismo.

Começando pelo sistema circulatório, no qual as bactérias do tártaro dental — também conhecido como placa bacteriana — podem afetar o coração. Isso causa a endocardite bacteriana (saberemos dessa doença mais abaixo).

Outros problemas estão vinculados à mordedura: dificuldades ao mastigar podem causar dores nos ossos da face (quadros de sinusite) e no ouvido. Além disso, a condição também prejudica o início da digestão, provocando azias e complicações gastrointestinais. Sem contar o surgimento de artrite, bruxismo — ranger ou forte apertar dos dentes, desgastando-os — e disfunção de articulações do maxilar.

Manter a autoestima em alta

O sorriso é um cartão de visitas. Dentes alinhados e brancos, hálito agradável e lábios saudáveis são essenciais para estimular nossa autoestima. Isso gera autoconfiança e favorece as relações interpessoais.

Pessoas que conservam sua aparência se sentem menos inseguras diante de desafios e são mais felizes em diversos aspectos da vida. Por isso, a prevenção em odontologia é tão importante.

Doenças bucais que podem ser diagnosticadas e tratadas

Como você conferiu até agora, existem várias patologias bucais que podem ser diagnosticadas. Conheça as principais a seguir.

Cárie

Essa é uma das doenças mais recorrentes, sobretudo entre crianças e idosos. A cárie deriva de ácidos produzidos após a ingestão de açúcares, o que provoca a corrosão da dentina e do esmalte (estruturas à base de cálcio que compõem os dentes), gerando infecções médias ou graves.

Os sintomas da cárie são:

  • sensibilidade ao mastigar;

  • dor de dente constante, especialmente ao comer doces;

  • queda dos dentes mais cariados.

Para evitar esse problema, o uso de fio dental e a escovação adequada são essenciais. Agendar consultas de rotina com um dentista também ajuda a encontrar focos de cáries em estados iniciais, evitando tratamentos de canais no futuro.

Gengivite

A inflamação na gengiva é proveniente do tártaro, ou seja, quando há proliferação de resíduos de alimentos e bactérias sobre a mucosa gengival, cria-se o ambiente perfeito para a manifestação da gengivite.

Essa doença provoca:

  • inchaço;

  • sensibilidade;

  • vermelhidão e sangramento durante a escovação.

Em situações mais graves, surgem bolsas de pus entre a gengiva e a dentição, além de mau hálito, condição também conhecida como halitose. 

Para evitar a gengivite, nada mais eficiente do que a escovação regular e o uso de fio dental. O tratamento fica por conta da destartarização (remoção de placas bacterianas por meio da limpeza) e, em casos mais avançados, a prescrição de anti-inflamatórios e/ou antibióticos como recurso.

Periodontite

A periodontite é um agravamento da gengivite. Ela é causada pela inflamação de todas as fibras e tecidos que sustentam os dentes, devido às bactérias alojadas na boca por muito tempo. Quando o quadro inflamatório aumenta e alcança os tecidos de sustentação, pode levar à queda da dentição.

Os principais sintomas da doença são:

  • sangramento gengival durante a alimentação, escovação ou com o uso do fio dental;

  • sensibilidade excessiva;

  • halitose;

  • dentes enfraquecidos e com mobilidade.

A prevenção consiste em evitar a gengivite por meio da higienização bucal diária. No entanto, existem pacientes geneticamente predispostos à periodontite. Sendo assim, ao notar os primeiros sinais, consulte um dentista o mais rápido possível.

Endocardite bacteriana

Essa é a doença de origem oral mais preocupante. A endocardite bacteriana inicia quando uma pessoa manifesta gengivite, mas ignora seus sintomas por um longo período.

Com isso, as bactérias proliferadas entram na corrente sanguínea e se instalam no coração. Esses microrganismos lesionam os tecidos cardíacos, causando diversas complicações e podendo levar o paciente a óbito.

Os sintomas são bastante severos:

  • hemorragia gengival;

  • dores musculares;

  • fadiga;

  • febre;

  • suor noturno;

  • sopro no coração.

Para evitar essa doença — mais uma vez e sempre —, a limpeza da boca é fundamental, sobretudo em pessoas com tendência a problemas cardíacos.

Procedimentos comuns de prevenção em odontologia

Evitar a manifestação de doenças bucais em vez de tratar enfermidades nos pacientes. É esse o objetivo da prevenção em odontologia. Tudo isso mediante instruções e exames realizados de forma periódica junto a uma equipe odontológica especializada.

Para conservar a saúde da boca, a ida ao consultório deve ser feita a cada seis meses. Se você não visita seu dentista há um bom tempo, abra um espaço na sua agenda e marque uma consulta.

A resposta para essa frequência semestral é simples: prevenção. Para tal finalidade, são realizados dois procedimentos básicos.

Check-up

Durante a avaliação, o odontologista verificará se existe alguma alteração na sua boca, como:

  • cáries;

  • placa;

  • lascas e manchas nos dentes;

  • lesões gengivais.

O check-up ajuda detectar problemas em estágios iniciais, o que evita gastos excessivos e desconfortos em longos tratamentos. Dessa forma, uma verificação periódica não deixa que doenças evoluam sem que você saiba.

Limpeza

Mesmo que sua higiene bucal diária seja regrada, a escovação convencional não alcança determinadas áreas da boca com a mesma eficiência com que limpa a dentição da frente. Com o tempo, essa condição leva ao aumento da placa bacteriana entre a gengiva e os dentes, elevando a probabilidade de infecções.

A ida periódica ao dentista também é indicada para fazer uma limpeza profunda nos dentes — com utilização de ferramentas de maior alcance e flúor profissional. Além da remoção total do tártaro, também pode ser feita a eliminação de manchas causadas pela ingestão de alguns alimentos, como o café e o vinho.

E então, compreendeu a importância da prevenção em odontologia? Agora que você já sabe da necessidade de consultar um dentista regularmente, que tal contratar um Programa de Prevenção? Oferecemos diversos planos odontológicos de acordo com sua demanda e orçamento. Confira!